Resenha: O Pacto (Amaldiçoado)

quarta-feira, 4 de outubro de 2017


Título: O Pacto (Amaldiçoado)
Autor (es): Joe Hill
Editora: Arqueiro
Ano: 2010
Idioma: Português BR
Páginas: 320

Sinopse: Ignatius Perrish sempre foi um homem bom. Tinha uma família unida e privilegiada, um irmão que era seu grande companheiro, um amigo inseparável e, muito cedo, conheceu Merrin, o amor de sua vida.

Até que uma tragédia põe fim a toda essa felicidade: Merrin é estuprada e morta e ele passa a ser o principal suspeito. Embora não haja evidências que o incriminem, também não há nada que prove sua inocência. Todos na cidade acreditam que ele é um monstro.

Um ano depois, Ig acorda de uma bebedeira com uma dor de cabeça infernal e chifres crescendo em suas têmporas. Descobre também algo assustador: ao vê-lo, as pessoas não reagem com espanto e horror, como seria de esperar. Em vez disso, entram numa espécie de transe e revelam seus pecados mais inconfessáveis.

Um médico, o padre, seus pais e até sua querida avó, ninguém está imune a Ig. E todos estão contra ele. Porém, a mais dolorosa das confissões é a de seu irmão, que sempre soube quem era o assassino de Merrin, mas não podia contar a verdade. Até agora.

Sozinho, sem ter aonde ir ou a quem recorrer, Ig vai descobrir que, quando as pessoas que você ama lhe viram as costas e sua vida se torna um inferno, ser o diabo não é tão mau assim.




Comprei esse livro há alguns anos, primeiro porque havia lido A Estrada da Noite, outro livro de Joe Hill, e segundo porque estava muito barato. Esse ano decidi voltar a ler e comecei com os livros comprados que estavam abandonados na minha estante, o que talvez não tenha sido uma decisão muito boa, já que eu não estava tão na vibe dessa leitura.

A história é bastante diferente e original. Não é um terror em que você fica com medo (apesar de eu achar difícil ficar com medo lendo), mas sim pelo tema, pelo que aconteceu com Merrin e por Ig ter virado a personificação do Diabo.

Achei a leitura meio lenta, com muitas partes até desnecessárias. Tem poucas falas - e eu gosto de livros com bastante diálogo, então não foi do meu tipo favorito de narrativa.

Fui surpreendida algumas vezes, pois o livro contém várias reviravoltas (e isso me agradou bastante) e também por uma cena (a cena da casa na árvore, para quem já leu) que achei muito bem construída e pesadíssima. Foi nesse momento que vi o terror verdadeiro do livro.

Um ponto que pra mim foi um dos piores é como são tratadas as mulheres. O abismo entre Glenna e Merrin, o modo como uma é considerada uma santinha, "pra casar", e a outra é ridicularizada desde o começo. Odiei, odiei, achei extremamente escroto.

Parece que Joe Hill criou seu próprio estilo (se é que posso falar isso após ter lido somente dois livros), porque consegui ver aspectos d'A Estrada da Noite aqui.

O enredo é interessante, mas não é uma leitura agradável. Terminei o livro me sentindo muito pesada, estranha.

Obs: Como disse, comprei há anos essa edição e só agora descobri que o título agora é "Amaldiçoado". Gente??? Pelo amor de Deus, não façam isso, editoras!

0 comentários:

Postar um comentário